banner abril verde

Artigos por

Eliezir Viterbino

Artigos por

Leandro Peres Loureiro de Oliveira

Artigos por

Wilker Anderson Silva Moraes

Artigos por

Junior Cezar Vidotti

Artigos por

Marcos Augusto da Silva

Artigos por

Márcio de Oliveira Macedo

Artigos por

Eleandro Geres Rozan

Artigos por

Guilherme Coutinho de Souza

Artigos por

Victor Dantas Gomes

Artigos por

Wagner Dimas de Carvalho

Sobre o Autor

CNC e Banco do Nordeste acertam convênio

Um convênio entre o Banco do Nordeste (BNB) e a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) será assinado no dia 16 de maio, no início da 35ª edição do Congresso Nacional de Sindicatos Empresariais, que acontece em Fortaleza (35º CNSE). O objetivo é facilitar linhas de crédito aos empresários do comércio de bens, serviços e turismo do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo. 

O assunto foi debatido na manhã de sta segunda-feira, 06, no BNB. Participaram Valdeci Cavalcante, 1º vice-presidente da CNC, e Luiz Gastão Bittencourt, vice-presidente Administrativo da entidade. O encontro contou ainda com a participação de presidentes de Federações do Comércio do Nordeste: Marcelo Queiroz (RN), Bernardo Peixoto (PE), Maurício Filizola (CE), Wilton Malta (AL), e com o presidente da Fecomércio-MG, Lúcio Emílio de Faria Júnior. Tambem estiveram, a subsecretária geral da CNC, Cláudia Brilhante, e o chefe da Divisão Econômica da Confederação, Fabio Bentes. O objetivo foi debater parcerias para linhas de crédito e pesquisas de mercado com os Institutos de Pesquisas da Federações. 

Coordenada pelo presidente licenciado do Sistema Fecomércio Ceará e vice-presidente administrativo da CNC, Luiz Gastão Bittencourt, a reunião contou com a presença do presidente do BNB, Romildo Rolim e de cinco presidentes de Federações do Comércio do Nordeste, além do presidente da Fecomércio de Minas Gerais. 

“Esse é um momento histórico para nós do Nordeste: a união com o maior banco de desenvolvimento da região com representantes da maior parcela dos empresários e do setor produtivo do comércio de bens, serviços e turismo, propiciando que as empresas possam ter acesso a melhores e mais ágeis ações com relação a crédito, ajudando no seu desenvolvimento”, resumiu Luiz Gastão. 

A intenção é que o convênio desburocratize o acesso às linhas de créditos para micros, pequenos, médios e grandes empresários. Dessa forma, destaca Luiz Gastão, há uma maior garantia na manutenção e criação de novas empresas, resultando em mais geração de emprego e melhores resultados para a economia. “A união da CNC e do BNB pode servir de alavanca em prol do desenvolvimento da região. Queremos que o Nordeste possa ser reinserido no papel econômico de desenvolvimento do País. Nossa missão é de construirmos juntos um Nordeste maior e melhor, com mais emprego e mais desenvolvimento econômico e social”, argumentou Luiz Gastão. 

Não apenas facilidades para linhas de crédito, Luiz Gastão pontuou que essa parceria também deve proporcionar outras ações, como pesquisas para o desenvolvimento de novos produtos e serviços; implementar ações para fortalecer a capacitação das empresas com temas de educação financeira, competitividade, produtividade e inovação; promover a capacitação por meio dos Senac, junto aos beneficiários com crédito do BNB; criação de uma rede regional de disseminação de informações e condições para o crédito e incentivo às dimensões artísticas e culturais da região. 

Desenvolvimento 

O presidente do BNB, Romildo Rolim, ressaltou a missão desenvolvimentista do Banco, afirmando que só se cumpre isso através de parcerias. Com a CNC, ele acredita que o convênio será importante não apenas para o comércio do Nordeste, mas também para o crescimento da economia da região. “Que a gente cresça para sair desse marasmo, cumprindo o nosso papel de desenvolver o Nordeste”, pontuou. 

Maurício Filizola, presidente da Fecomércio Ceará, destacou que o real objetivo dessa aproximação é que as facilidades para as linhas de crédito do BNB cheguem até a ponta, ou seja, principalmente para os micro e pequenos empreendedores, que, segundo ele, são os que mais têm dificuldade em garantir investimentos. “Que possamos fortalecer o comércio existente e incentivar o crescimento e a abertura de novos negócios. Nossa economia precisa realmente dar um salto”, observou.